Mais de 60.000 alunos capacitados

MG (31) 3495-4427, MG (31) 3450-3644, MG (31) 99201-0939, SP (11) 2368-9882, SP (11) 3522-8441,RJ (21) 4063-9441, PR (41) 4063-5441, RS (51) 4063-7441 , DF (61) 4063 6405

Prevenir é mais fácil e barato do que remediar.

Além de um compromisso ético, garantir saúde e segurança ao trabalhador representa também uma boa opção de economia de recursos.

prevenir

Prevenir diferente de “A linguagem que alguns empresários mais entendem é a do Lucro.” Um bordão repetido em algumas situações, por isso a saúde e a segurança dos trabalhadores merecem mais atenção por parte de seus contratantes.

 

 

Pesquisas indicam que os custos dos acidentes e doenças ocupacionais podem ser bem maiores que os investimentos em medidas preventivas.

 

 

Um caso hipotético é apresentado no programa Construindo Segurança & Saúde, elaborado pelo Serviço Social da Indústria (Sesi) em parceria com a Câmara Brasileira da Indústria da Construção.


Na simulação, uma empresa recebe a demanda de cobrir uma área com concreto e as betoneiras chegam antes que as botas de segurança. Para não retardar o início do trabalho e correr o risco de perder a qualidade do concreto, o gestor improvisa equipamentos de proteção que, no entanto, não impedem o contato com o cimento, altamente corrosivo. A decisão equivocada resulta em oito acidentes de trabalho, três deles com afastamentos registrados pelo INSS. Pelos cálculos do sistema criado pelo Sesi, cada um dos três afastamentos representaria custos das ordem de R$ 113 mil e os cinco outros acidentes, juntos, custariam R$ 65 mil. No total, a empresa gastaria mais de R$ 406 mil, montante que teria sido suficiente para adquirir 13 betoneiras com concreto, negociar até 40 mil horas-extras com os funcionários ou ainda providenciar o envio imediato do equipamento de segurança  – por helicóptero, inclusive.

 

 

“Costuma-se dizer que cada R$ 1 aplicado em prevenção evita o prejuízo de R$ 4 em acidentes”, sintetiza Armando Henrique, presidente da Federação Nacional dos Técnicos de Segurança do Trabalho (Fenatest).

previnir

Os Custos dos acidentes de Trabalho para as empresas costumam ser divididos em duas categorias: segurados e não segurados. Os primeiros dizem respeito aos valores gastos com seguros de acidentes de trabalho. De acordo com o relatório do Observatório Digital de Saúde e Segurança do trabalho, desenvolvido pelo Ministério Público do Trabalho junto á Organização Internacional do Trabalho (OIT), mais de 26 bilhões foram gastos pela previdência Social, entre 2012 e 2017, com auxílios-doença, aposentadorias por invalidez, auxílios-acidentes e pensões por mortes de trabalhadores.

 

Apresentado em março, o relatório informa que, só no ano de 2017, ocorreram no Brasil mais de 500 mil acidentes, com quase duas mil mortes, uma a cada quatro horas e meia.

 

Estudos da OIT indicam que o custo dos acidentes e doenças ocupacionais representam 4% do PIB nacional. Mas praticamente todos esses números são subestimados, pois não consideram o mercado informal, tampouco a subnotificação: até 80% dos acidentes e doenças não são notificados.

Conheça mais sobre a MA consultoria

MA Consultoria  com o Projeto Fechado com a Segurança visa a conscientizar não só as empresas como também os trabalhadores a importância do uso de EPI’s e a qualificação em treinamentos de segurança do trabalho.

 

A MA consultoria realiza esses treinamentos em todo o Brasil e o projeto Fechado com a Segurança promove a interação e conhecimento em seu  site: http://fechadocomaseguranca.com.br/  e Canal no Youtube: https://www.youtube.com/fechadocomasegurança

Por Luciana Lana. – Adaptação: Pablo Brescia – Marketing e TI – MA Consultoria.

 

Fonte: Revista CIPA – Maio 2018 – ano 40

Conheça os nosso cursos

Precisa de Ajuda? clique aqui.
não faça pagamentos por PIX.